Que Eu Seja A Última

Que Eu Seja A Última - Murad,Nadia | Tagrny.org Leia o livro. direto no seu navegador. Baixe o livro. da existência em formato PDF, TXT, FB2 no smartphone. E muito mais em tagrny.org.

EM FORMAÇÃO

AUTOR
Murad,Nadia
DIMENSÃO
5,38 MB
NOME DO ARQUIVO
Que Eu Seja A Última.pdf
ISBN
7549142278982

DESCRIÇÃO

Nestas intimistas memórias de sobrevivência, uma ex-prisioneira do Estado Islâmico conta a sua angustiante, mas inspiradora história. Em 15 de agosto de 2014, quando Nadia tinha apenas 21 anos de idade, sua vida terminou. Os terroristas do Estado Islâmico massacraram o povo de sua aldeia, executando os homens que se recusaram a se converter ao Islã, e as senhoras idosas demais para se tornarem escravas sexuais. Seis dos irmãos de Nadia foram mortos, e pouco depois, também a sua mãe. Os corpos foram jogados em valas comuns. Nadia foi transportada à força a Mossul e, junto com milhares de outras moças iazidis, vendida como escrava pelo Estado Islâmico. Nadia fora mantida em cativeiro por vários terroristas, e passou a ser continuamente estuprada e espancada. Contudo, ela conseguiu fugir pelas ruas de Mossul, encontrando guarida no lar de uma família muçulmana sunita, cujo filho mais velho arriscou a vida para contrabandeá-la a um local seguro. Hoje, a história de Nadia — como testemunha das atrocidades do Estado Islâmico, sobrevivente de estupro, refugiada, iazidi — forçou o mundo a prestar atenção ao genocídio em andamento no Iraque. É um chamado à ação, um testamento à vontade humana de sobreviver e uma carta de amor a um país perdido, uma comunidade frágil e uma família destroçada pela guerra.

Último significa que está ou é do final; relativo a algo que vem depois de todas as outras coisas.. Neste sentido é escrito com acento agudo no "u", igualmente no seu plural "últimos". Viva o hoje como se este fosse o último dia de sua vida, como se esta fosse a tua última chance de fazer tudo valer a pena.

Viva intensamente cada segundo, pois ele é único. As duas formas - ultima e última - existem na Língua Portuguesa. Ou seja, ambas as expressões estão corretas, devendo, no entanto, ser usadas em diferentes situações.

LIVROS RELACIONADOS